Agronegócio

VBP do agro se mantém em R$ 535,4 bilhões

Lavouras voltam a crescer e lideram valor bruto da produção; algodão foi o maior destaque.

Foto: Reprodução Internet

O Ministério da Agricultura mantém a projeção para o Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária em 2017. A partir dos dados de produção e renda de agosto, a estimativa para o VBP é de R$ 535,4 bilhões, 4,1% superior ao de 2016. As lavouras contribuíram com R$ 367,2 bilhões (+9,6%) e a pecuária, R$ 168,2 bilhões (-6,0).

“Depois de ter seu crescimento interrompido pela forte seca de 2016, as lavouras voltaram a se destacar no Valor Bruto da Produto, índice apurado mensalmente pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura. Em agosto, os destaques do VBP foram o algodão, com aumento de 75,6%, amendoim (31,2%), cana-de-açúcar (45,8%), laranja (20,9%), mandioca (70,5%) e uva (51,9%)”, disse a pasta em nota.

De acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises da SPA, José Garcia Gasques, outros destaques da agricultura são o arroz, a cebola, o milho e o tomate. Com exceção da mamona e da mandioca, que tiveram redução de produção, todos os demais produtos apresentam neste ano aumento de produção em relação ao ano passado.

Conforme o estudo do VBP, o aumento de produtividade das lavouras de verão, de 24,1%, é outro destaque neste ano. As plantações de inverno sofreram forte queda, de 15,1%. A redução de produtividade na aveia, canola e trigo foi de 14%. Na pecuária, os melhores resultados vêm sendo obtidos em suínos e leite.

Entre os produtos que tiveram queda no VBP estão banana (-22,8%), batata-inglesa (-52,8%), cacau (-24%), café (-10,7%), feijão (-7,8%), trigo (-32,8%) e maçã (-21,2%).

Os dados regionais indicam a liderança de São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Minas Gerais. “A cana-de-açúcar responde por 58% do valor em São Paulo e a soja, por 52% em Mato Grosso. No Paraná, a soja e frango representam por 54% do valor gerado”, disse a pasta.

Fonte/Créditos: Portal DBO

Tag

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *