Agronegócio

Paralisação de caminhoneiros faz produtores descartarem 500 mil litros de leite em MG

Segundo associação, descarte em Passos foi feito devido à impossibilidade de transportar o produto perecível.

Pelo menos 500 mil litros de leite foram descartados por produtores de leite de Passos (MG) até esta quarta-feira (23) por causa da paralisação de caminhoneiros que afeta o Sul de Minas e todo o país. Segundo a associação dos produtores, o descarte foi feito já que não foi possível transportar o produto perecível.

A quantidade é referente ao produto descartado desde o início da paralisação, na última segunda-feira (21). A produção de leite em Passos é levada para outras cidades da região por acesso de rodovias importantes.

Próximos à cidade, foram registrados protestos no quilômetro 360 da rodovia MG-050, sentido Itaú de Minas, e na MG-446, em Alpinópolis, sentido Passos.

“O caminhão tem que voltar pra buscar o leite, ou na indústria ou na fazenda, e aí ele é barrado. E a gente fica em o transporte do mesmo jeito. Começa a acumular leite em todas as fazendas, causando um problema grave. A gente não tem nem como descartar leite adequadamente”, explica o presidente da cooperativa de leite, Marcelo Maldonado Cassoli.

Segundo os produtores, o leite não pode ser doado por conta de um artigo de lei. “É uma afronta pra gente que produz, é uma afronta por consumidor que está assistindo, é uma afronta pro mundo. Pegar um alimento dessa qualidade e ter que jogar num biodigestor”, lamenta Maurício Coelho, administrador de uma fazenda.

Outro efeito das paralisações que pode afetar a produção de leite é a falta de ração para os animais. “À medida que você quebra a dieta do animal em um dia, ela vai gastar um mês pra se recuperar”, explicou o produtor rural Manoel Godinho.

Leite é descartado pro produtores em Passos (MG) (Foto: Graziela Fávaro/EPTV)

Até o início da noite desta quarta-feira, o Sul de Minas tinha pelo menos 24 pontos de paralisação de caminhoneiros.

Fonte/Créditos: G1

Tag

Notícias relacionadas

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *